a melhor hora

o ponteiro das horas dos teus olhos
exibe-me, a tudo, um novo início.

pobres colecionadores de migalhas
chacoalhando seus minutos vitalícios,
não os avisaram? o sol rompe o horizonte
de súbito. só há tempo no que é absoluto.

aos teus olhos lanço os meus em exílio,
e na ilha dos teus olhos ouço silêncios
segundos antes dos sentimentos segarem luto.
meus pássaros pretos enviam-te este arauto:

teus olhos nos meus badalam a melhor hora,
ascendeste meu coração, claro como agora.